EUA atacam aeroporto de Bagdá e matam principal líder militar do Irã

Qassem Soleimani era um dos homens mais poderosos do Irã. Ataque em Bagdá matou também Abu Mahdi al-Muhandis, chefe de milícia iraquiana apoiada pelos iranianos.

Qassem Soleimani, chefe da Guarda Revolucionária Iraniana, em foto de 2016 — Foto: Office of the Iranian Supreme Leader via AP, Arquivo

Os Estados Unidos realizaram na noite desta quinta-feira (2) um ataque ao aeroporto de Bagdá (Iraque) matando Qassem Soleimani, chefe da Guarda Revolucionária do Irã.

A ordem para o ataque partiu do presidente dos EUA, Donald Trump, e o objetivo era mesmo eliminar o militar iraniano.

O Pentágono emitiu uma nota culpando Soleimani por mortes de americanos no Oriente Médio e afirmou que o objetivo foi deter planos de futuros ataques iranianos.

“O general Soleimani estava ativamente desenvolvendo planos para atacar diplomatas americanos e membros do serviço no Iraque e em toda a região.” Afirmou a agência militar dos EUA.

O líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, disse nesta sexta-feira (3) que a morte de Qassem Soleimani irá dobrar a motivação da resistência contra os EUA e Israel.

“Todos os inimigos devem saber que a jihad de resistência continuará com uma motivação dobrada, e uma vitória definitiva aguarda os combatentes na guerra santa”, disse Khamenei em comunicado divulgado pela TV, no qual pediu três dias de luto nacional.

O presidente iraniano Hassan Rouhani disse que agora o país estará mais determinado a resistir aos EUA e prevê vingança.

“O martírio de Soleimani tornará o Irã mais decisivo para resistir ao expansionismo americano e defender nossos valores islâmicos. Sem dúvida, o Irã e outros países que buscam a liberdade na região se vingarão”, afirmou Rouhani.

Com informações do G1.



Comentários