Vereadora Amanda Lima assume secretaria da Mulher e Diversidade Humana

“Sempre foi um desejo nosso saber como funciona uma secretaria, lidar com o público e seus problemas”, frisou.

“Criamos essa Secretaria porque pensamos numa cidade justa e igualitária”, enfatizou o prefeito Naia.

Sem apegar-se ao Poder, após um ano de experiência na Câmara Municipal de Rio Tinto, a vereadora Amanda Lima (PSB), parte para um novo desafio. A parlamentar foi empossada na tarde desta quarta-feira (2) como secretária municipal da Mulher e Diversidade Humana. A portaria foi entregue pelo prefeito Fernando Naia.

Amanda disse que o momento é de conhecimento. “Já sabemos como funciona o Poder Legislativo, buscamos agora novas descobertas. Sempre foi um desejo nosso saber como funciona uma secretaria, lidar com o público e seus problemas”, destacou.

Na pasta recém-criada, um dos desafios será a geração de oportunidades. “Estarei licenciada da Câmara, mas continuarei fazendo meu papel e darei continuidade aos trabalhos que sempre venho fazendo no município”, escreveu a vereadora na sua página pessoal.

Amanda é filiada ao PSB e foi eleita vereadora pela primeira vez em 2016, com 1.022 votos. Com o afastamento da Câmara, quem assume a vaga é o suplente Luan Potiguara (PV).

“Pensar numa sociedade com mais democracia, é pensar em políticas públicas e empoderamento para todos os gêneros, sobretudo, aqueles que são historicamente discriminados. Criamos essa Secretaria porque pensamos numa cidade justa e igualitária. Este será um espaço para ouvir e de dar voz, seja as mulheres, aos negros, índios, LGBT´s, entre outros”, considerou Fernando Naia.

A secretaria da Mulher e Diversidade Humana vai atuar no sentido de: orientar, apoiar, coordenar, acompanhar e executar programas e atividades voltadas à implementação de políticas, diretrizes e ações para mulheres, Lei Maria da Penha, população LGBT, população negra, comunidades indígenas, promoção da igualdade racial e de gênero, proteção dos direitos de indivíduos e grupos raciais e étnicos, LGBT e de mulheres afetadas por discriminação de gênero, racial, de orientação sexual e demais formas de intolerância.

Por PB Vale



Comentários