Lindbergh: repercussão internacional e opinião pública são saída para Dilma

Senador disse que Anastasia não pode ser relator porque “pedalou” quando foi governador de Minas

Senador disse que Anastasia não pode ser relator porque “pedalou” quando foi governador de Minas

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), vice-líder do PT na Senado e um dos cinco defensores do governo na comissão especial de impeachment, disse que a presidente Dilma Rousseff tem apenas dois esteios para tentar manter o mandato: a repercussão internacional e a opinião pública. Segundo o senador petista, que aponta a ilegitimidade das denúncias contra Dilma, é “ilegítimo” um eventual governo Michel Temer (PMDB), cuja negociação de cargos está a pleno vapor.

Durante o seu tempo de fala na reunião desta sexta-feira (29) na comissão do impeachment, Lindbergh atacou diretamente o relator do processo de admissibilidade das denúncias, senador Antônio Anastasia (PSDB-MG), e fez menção a decisões do tucano como governador de Minas Gerais. “Vossa Excelência quer cassar a presidenta por algo que o senhor também fez?”, indagou o senador.

A bancada governista acusa o tucano de ter cometido as mesmas “pedaladas fiscais” no período em que foi chefe do Executivo estadual, o que em tese o desqualificaria para assumir a relatoria da comissão. “Não há voz tonitruante que abale minha serenidade”, respondeu Anastasia reafirmando que seguirá compondo a mesa do colegiado.

Requerimento

Os governistas já apresentaram um requerimento solicitando a troca de relator, mas a demanda foi rejeitada pela maioria da comissão. Entre os 21 senadores do grupo de trabalho, apenas cinco são declaradamente contra o impeachment e frontalmente contra a indicação de Anastasia na função estratégica.

O ministro José Eduardo Cardozo, advogado-geral da União, também pediu para que Anastasia fosse destituído do cargo, alegando que o jurista Miguel Reale Junior, um dos autores do pedido de impeachment, é filiado ao PSDB, legenda do ex-governador mineiro. A presidência da comissão não acatou a sugestão do ministro.

 

Congresso em foco



Comentários