Eduardo Cunha promete expor conversas sobre impeachment em livro

cunhaO ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), cassado na noite dessa segunda-feira (12), disse que irá se dedicar a escrever um livro contando os bastidores do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Foi Cunha que, quando era presidente da Câmara, aceitou o pedido de impeachment que resultou no afastamento definitivo da petista.

“Eu vou escrever um livro do impeachment. Eu vou contar, obviamente, tudo o que aconteceu no impeachment. Diálogos com todos os personagens que participaram de diálogos comigo em relação ao impeachment. Esses serão tornados públicos em toda a sua integralidade. Todos, todos, todos. Todo mundo que conversou comigo”, disse Eduardo Cunha.

Questionado sobre se ele tinha gravado as conversas mantidas com políticos sobre o impeachment, ele negou. “Tenho boa memória. Eu não gravo conversas e não compactuo com quem grava conversas”, disse o ex-deputado, em referência implícita ao delator Sérgio Machado, que gravou conversas com políticos para fechar acordo na Lava Jato.

O agora ex-deputado disse que, mesmo depois de cassado, não irá aderir às delações premiadas da Operação Lava Jato. Ele é réu em dois processos que apuram sua participação no esquema de cobrança de propina em obras de empresas estatais. “Só faz delação quem é criminoso. Eu não sou criminoso, não tenho que fazer delação”, afirmou.

Eduardo Cunha teve o mandato cassado por 450 votos a favor, 10 contra e nove abstenções.

UOL



Comentários