Cássio sugere que Temer demita o presidente da Petrobras e acusa falta de governo

Está cada vez mais distante o tempo em que  senador paraibano Cássio Cunha Lima (PSDB) nutria concordância com a política econômica do presidente Michel Temer (MDB). Durante entrevista ao site Poder 360, nesta quarta-feira (23), o vice-presidente do Senado sugeriu a demissão do presidente da Petrobras, Pedro Parente, e a mudança imediata da política de preços da estatal. O motivo: o caos instalado com o protesto dos caminhoneiros em todo o país, que já causa falta de combustível em postos e aeroportos e desabastecimento de alimentos. A categoria protesta contra o preço do diesel e os reajustes quase que diários arbitrados pela empresa. A queixa ocorreu pouco antes de a Petrobras anunciar uma redução de 10% no valor do combustível por 15 dias.

“É claro que o país não suporta essa política de reajustes diários, isso fere qualquer planejamento do segmento de transporte que atende todas as cadeias da produção brasileira”, disse Cunha Lima. Ele lançou ainda um desafio para o ex-aliado Michel Temer. Disse que se o presidente não mudar o comando da Petrobras, “daqui a pouco o presidente da Petrobras vai nomear o presidente da República”. A ironia se deve ao fato de o governo não pressionar a empresa por um controle maior dos preços dos combustíveis no país. Cássio ressaltou ainda que é preciso reduzir impostos e lembrou que a carga média de tributos no país tem sido de 43% dos valores cobrados, porém, alegou que esse montante chega a 52% em alguns estados. Na Paraíba, por exemplo, a carga tributária gira em torno de 50%.

O senador foi um dos políticos do PSDB que apoiaram o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Ele também apoiou o presidente Michel Temer (MDB) no primeiro momento, porém, se afastou do emedebista desde que começaram as denúncias de corrupção contra o gestor. Atualmente, Cássio Cunha Lima tem adotado um tom ácido nas queixas contra o atual presidente.

O Farol



Comentários