Benjamin Maranhão chama Tiago de traidor e homem sem palavra

Para o deputado federal do MDB, o prefeito da cidade de Capim foi vendido.

Deputado Federal Benjamin Maranhão. Foto: Napoleão Soares

Indagado pelo Blog Chico Soares, em quantos municípios o deputado federal Benjamin Maranhão (MDB) é votado no vale do Mamanguape? – Ele foi claro à resposta, olha Chico, “serei votado em todos os municípios”.

O emedebista disse que “o candidato não pode está atrelado com o prefeito, ou a liderança “A ou B”, o que importa é a prestação de contas das atividades parlamentares em Brasília, para com o Estado e municípios. Entretanto, as pessoas são livres para escolher e votar”, disse.

Ele lembrou que em Capim, liberou recursos através de emendas que totalizam mais de R$ 2 milhões de reais. “Infelizmente, fui traído pelo prefeito Tiago Lisboa (PSDB), que usou da traição e se vendeu de forma vergonhosa. Vamos tocar o barco pra frente, esperar abrir as urnas, o trabalho será julgado pelo povo”, frisou o parlamentar. Ainda sobre traição, Benjamin disse que Tiago deu as costas para o empresário Rogerinho.

“Tiago me dizia e sua assessoria, que nos acompanhava para deputado federal, hora nenhuma Tiago disse que tomaria outro caminho. Então, isso não é papel de homem, você tem que ter palavras, você não avisar e de hora para outra deixar de assumir um compromisso com um parlamentar que esteve presente durante a sua campanha para Prefeitura, e sem motivo, mudar de deputado que não fez nada pelo município. Na minha cabeça, essa decisão do prefeito foi uma negociata, não a nada que justifique uma coisa dessa, o povo vai saber dar a resposta”, ressaltou Benjamin.

De acordo com Benjamin, desde dia 30 de junho, Tiago Lisboa deixou de ligar para o seu gabinete, para a assessoria. “Eu acho que o prefeito bloqueou os meus telefones celulares, fico decepcionado pela figura dele”, alfinetou.

O prefeito Tiago Lisboa ainda não comentou sobre as acusações do deputado federal Benjamin Maranhão, contudo, é importante destacar, que o gestor tem o direito para se defender diante dos fatos acontecidos no último sábado, na cidade de Mamanguape.

 

Por Chico Soares e Napoleão Soares



Comentários