Quatro prefeitos do litoral norte já anunciaram apoio à candidatura de João ao governo da PB

Faltam oito meses para as eleições gerais. Dos 12 prefeitos do vale e litoral norte da Paraíba, quatro já anunciaram a imprensa apoio ao candidato do Palácio da Redenção, o engenheiro João Azevedo (PSB).

Os prefeitos que saíram de cima do muro e oficializaram aos veículos de comunicação da região, apoio a João, foram os socialistas, Maria Eunice Pessoa (Mamanguape) e Fernando Naia (Rio Tinto), além do petebista, Egberto Madruga (Mataraca). Filiado ao (PTB) de Wilson Santiago, Egberto tem como vice-prefeita, a defensora Emília Brandão (PSB).

Outro prefeito que bateu o martelo com João, na presença de Ricardo, foi o da cidade de Curral de Cima, Totó Ribeiro, do (PSDB) de Ruy Carneiro e Cássio.

Os que estão em dúvida de decidir em quem vão apoiar para governador, agora com renúncia de Luciano Cartaxo em concorrer o governo pela oposição, deixaram muitos em uma “sinuca de bico”, como diz os amantes desse esporte. Pois bem, do outro lado, surge à candidatura do senador José Maranhão, ao governo outra vez pelo (MDB). Ele é muito conhecido na região, como candidato a governador, venceu na região a disputa com Cássio Cunha Lima e Ricardo Coutinho, num passado recente.

Os prefeitos que ainda estão aguardando a hora certa para anunciar apoio para candidato a governador, são eles: pelo (PSDB), Tiago Lisboa (Capim) e José Aurélio, conhecido por Baia (Pedro Régis), do (PTB), Serginho Lima (Baía da Traição), o único do (MDB) é o de Jacaraú, Elias Costa, as prefeitas de Itapororoca e Marcação, Elissandra Brito (DEM) e Lili Oliveira (PDT), o prefeito de Cuité de Mamanguape, Jair da Farmácia (PSC) e o de Lagoa de Dentro, Fabiano Pedro (PSD), Deles, 50% tem tendência a votar em candidato de oposição e – 50% votarem no candidato da situação, disse uma fonte.

O quadro político zerou. O jogo ainda vai começar e quem formar melhor equipe com “a chapa majoritária” terá mais chances de vitória, há quem aposte que a eleição na Paraíba será decidida no segundo turno.

 

Por Chico Soares e Napoleão Soares

 



Comentários