Presença de bactérias orais em êmbolos cerebrais de pacientes com AVC

Pesquisadores da Universidade de Tampere mostraram pela primeira vez que os êmbolos cerebrais de pacientes com AVC contêm DNA de patógenos orais. O artigo de pesquisa foi publicado no Journal of American Heart Association.

Os pesquisadores analisaram os trombos aspirados, que os radiologistas neurointervencionistas removeram de 75 pacientes com AVC como parte do tratamento de emergência. As amostras foram estudadas por duplicação de DNA bacteriano, mostrando que 79% dos aspirados continham DNA de bactérias que vinham dos dentes.

O grupo de pesquisa mostrou anteriormente que as mesmas bactérias odontogênicas estão presentes nas estenoses coronarianas de pacientes que morreram subitamente, aspiração de trombos e sangue arterial de pacientes com infarto do miocárdio, aneurismas cerebrais rotos e trombos aspirados de pacientes com membros inferiores e inferiores. trombose venosa.

A trombose da artéria cerebral causa 87% dos acidentes vasculares cerebrais. A maioria dos trombos se origina nas estenoses da artéria carótida de onde eles viajam para bloquear a circulação cerebral.

Os resultados mostraram que uma grande quantidade de DNA de Streptococcus viridans – bactérias normais na boca – foi encontrada em trombos cerebrais em comparação com amostras de sangue normais dos mesmos pacientes. Na cavidade oral, os estreptococos são inofensivos, mas ao entrarem em circulação, podem causar, entre outras coisas, infecções das válvulas cardíacas. A bactéria Streptococcus pode se ligar diretamente a vários receptores de plaquetas, tornando o paciente mais propenso a coágulos sanguíneos.

A pesquisa mostra que a saúde bucal e a boa higiene dental são de muito maior importância para a saúde do que se sabia anteriormente, e que as infecções dentárias não tratadas podem causar sérios danos à saúde ou até a morte.

Fonte: Science Daily


DR VALERIO VASCONCELOS COLUNISTADr. Valério Vasconcelos
Idealizador do Dia Estadual da Saúde do Coração Lei 8.636 de 18/08/2008. Professor de Cardiologia na Faculdade de Medicina Nova Esperança, João Pessoa – PB. Diretor do Centro de Referência em Atenção à Saúde da Universidade Federal da Paraíba (CRAS/UFPB). Médico pesquisador do Centro de Biotecnologia da UFPB. Jornalista Registro Profissional 3.520.



Comentários