Perguntar não ofende: Qual será o futuro do vice-prefeito de Itapororoca, Walisson Dionísio, em 2020?

Um homem simples, médico popular e político de pouca experiência. É assim o perfil do atual vice-prefeito de Itapororoca, Walisson Dionísio (PTB). Nos bastidores da boca maldita da política, o que mais se comenta nas esquinas, é que ‘ele’ deve trocar de partido, pelo fato de não ter votado no primeiro turno das eleições, em Wilson Santiago (eleito para a Câmara Federal), muito menos, no deputado estadual eleito, Wilson Filho, ambos comandam a sigla no Estado.

Pai e filho são do (PTB) e nas eleições de 2018, Dr. Walisson, os deixou de lado para seguir a prefeita Elissandra Brito (DEM), que apoiou os deputados reeleitos, Efraim Filho (DEM) e Ricardo Barbosa (PSB). Até 2020, ano de eleição municipal, tudo pode acontecer na política, inclusive nada, diz a fonte.

Segundo informações de pessoas ligadas ao governo municipal, a preço de hoje, pesquisas internas avaliam o governo de Elissandra Brito positivo, com aproximadamente 70% de aprovação pela população. A democrata será uma forte candidata a reeleição, porém, os adversários merecem respeito.

Diante desse quadro, será que o grupo liderado pelo ex-prefeito Celso Morais, José Inácio Morais e Elissandra, vão manter a mesma chapa vitoriosa de 2016 ou devem escolher um outro nome para vice? caso aconteça, quem será?

Pois bem, o blog sai na frente e antecipa uma lista dos prováveis protagonistas na formação da chapa governista. Pela ordem, na manutenção da mesma chapa, Walisson, seguido pelo vereador Rodrigo Carvalho (PSDB), empresário Carlos Magno (sem partido), cardiologista Valério Vasconcelos (DEM), agrônomo Inacinho Morais (DEM), o presidente da Câmara de Vereadores, Jailson Fernandes (DEM), empresário Lindo da Itafarma, dentre outros. Quem viver, verá!

Até aqui, Walisson, é leal ao governo municipal, joga em todas as posições no gramado político, conciliador e puxador de votos em qualquer grupo político que pertencer. Apesar de alguns erros políticos no passado e indefinições, ainda é muito cobiçado pelas as oposições.

Não sou adivinho, contudo, para a união do grupo da situação, o médico pode voltar a disputar o cargo de vereador, tudo é possível e muitas águas irão rolar até 2020.

Por: Chico Soares e Napoleão Soares



Comentários