Padre Nilson Nunes é especulado como senador na chapa de Maranhão

Senador definiu Roberto Paulino para uma das vagas e confirma neste domingo a outra vaga

O padre Nilson Nunes, estrela da Missa da Luz, no Santuário Mãe Rainha, no Bessa, é nome cotado para assumir a outra vaga de senador na chapa encabeçada por José Maranhão (MDB) nas eleições deste ano. A informação foi ventilada nas rodas políticas na manhã deste domingo (5). As informações dão conta de que o objetivo é aproximar a chapa do fiéis da Igreja Católica. A outra vaga do Senado fica com o ex-governador Roberto Paulino (MDB). Para a vice, o escolhido foi Bruno Roberto (PR). A chapa deve ser informada até esta segunda-feira (6) à Justiça Eleitoral.

Apesar das especulações, a possibilidade de Nilson Nunes ser candidato é nenhuma. Mesmo que tenha filiação partidária, teria que ter deixado o programa televisivo no dia 30 de junho. Como não o fez, não possui as condições de elegibilidade e exigidas pela lei eleitoral. Ele apresenta um programa religioso em uma TV da Capital.

Contraponto

O advogado Roosevelt Vita tem ponto de vista diferente. Ele explica que o caso não está incurso na Lei Complementar 64 (inelegibilidade, nem tem vedação constitucional). “Não se trata de pré-candidato… a vedação é para as emissoras e o fato não ocorreu antes da convenção. O pretendente não é sindicalizado, não tem diploma de comunicador ou jornalista, não é assalariado ou contratado de emissora de comunicação; presta um serviço de utilidade pública. Não se beneficiou na condição de pré-candidato. A candidatura é fato superveniente a qualquer pré-candidatura. O caso não refere inelegibilidade, mas propaganda eleitoral. No caso, não há privilégio pela emissora que desequilibre o pleito. Não existe precedente específico”, ressaltou o jurista.

Segundo informações de bastidores, o MDB está prometendo uma “grande surpresa” para esta segunda-feira (6). A fonte revelou, que o partido do candidato José Maranhão à sucessão governamental irá fazer uma consulta ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral).

Da Redação com Suetoni Souto



Comentários