Morre desembargador natural de Mamanguape

Magistrado estava internado vítima de infecção urinária e morreu em decorrência de ataque cardíaco

Miguel Levino estava internado no Hospital Samaritano para tratar de uma infecção urinária. Foto: Divulgação

“Graças a Deus não teve sofrimento em UTI”. Foi a frase de conforto usada pelo desembargador do Tribunal de Justiça da Paraíba Márcio Murilo para falar do falecimento do pai, o desembargador aposentado Miguel Levino de Oliveira Ramos. Perto de completar 94 anos de idade, ele serviu à magistratura paraibana por 40 anos. Ele morreu na madrugada desta quarta-feira (18), em decorrência de um ataque cardíaco fulminante.

Miguel Levino estava internado no hospital Samaritano para o tratamento de uma infecção urinária. Márcio Murilo explicou que o corpo será cremado no Caminho da Paz, em Cabedelo, às 17h. “Fica a saudade sem limites”, disse. Ele é pai ainda do também desembargador Abraham Lincoln. Outro filho que milita na magistratura é Wolfram da Cunha Ramos, que é juiz.

Biografia

O desembargador Miguel Levino de Oliveira Ramos é natural de Mamanguape-PB. Formou-se em Direito no ano de 1952, pela Faculdade de Recife. Exerceu o cargo de promotor substituto na comarca de Bananeiras. Em 1957, ingressou na magistratura, sendo designado para a unidade judiciária de Solânea. Atuou, também, nas comarcas de Serraria, Patos, Bananeiras, Campina Grande e João Pessoa.

Em 1982, foi nomeado para o cargo de desembargador do Tribunal de Justiça da Paraíba, tendo presidido o Judiciário estadual, condição que assumiu, por duas vezes, o Governo do Estado. Assumiu, ainda, a presidência do Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O desembargador aposentou-se em novembro de 1994.

Da Redação com Suetoni Souto

 



Comentários