Justiça determina afastamento do prefeito interino de Bayeux, Luiz Antônio

Câmara deverá providenciar substituição provisória de prefeito.

Luiz Antonio foi empossado prefeito de Bayeux após o afastamento de Berg Lima (Foto: Reprodução/TVPB)

O prefeito interino de Bayeux, Luiz Antônio de Miranda Alvino (PSDB), deve ser afastado do cargo, conforme decisão do desembargador Arnóbio Alves Teodósio, do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB). Em medida cautelar assinada na terça-feira (20) pelo magistrado, foi determinada a suspensão do exercício da função pública do gestor.

Luiz Antônio é vice-prefeito de Bayeux e exercia o cargo de prefeito interino após o afastamento do titular, Berg Lima, gravado em vídeo de envolvimento em suposto esquema de propina. O prefeito interino também era investigado pelo Ministério Público estadual, após a divulgação de um vídeo em que Luiz Antônio pedia dinheiro para pagar pela divulgação do vídeo que envolvia o antecessor.

O ofício para cumprimento da decisão foi encaminhado para a Câmara de Vereadores de Bayeux no final da manhã desta quarta-feira (21). O prazo estipulado para o afastamento é de 180 dias, a contar da decisão.

O relator do processo considerou que a medida requerida pelo MPPB é necessária para que, afastado cautelarmente do cargo público de vice-prefeito no exercício de prefeito interino, seja minimizado pelo réu o uso indevido das prerrogativas ou vantagens da função.

Investigação de Luiz Antônio

Em fevereiro, o Ministério Público da Paraíba (MPPB) ajuizou uma ação por ato de improbidade administrativa contra o prefeito interino de Bayeux, Luiz Antônio, e pediu, de forma liminar, o afastamento de Luiz Antônio do cargo e a indisponibilidade de seus bens.

Conforme o MPPB, o gestor marcou um encontro por telefone com um empresário e, no local, solicitou ao empresário a quantia de R$ 100 mil para pagar pela divulgação do conteúdo de um vídeo comprometedor do então prefeito, Berg Lima.

O desembargador Arnóbio observou que a manutenção de Luiz Antônio no cargo pode colocar em risco a lisura dos atos administrativos em que venha praticar. “Por isso, ele precisa ser, imediatamente, afastado do exercício do cargo de prefeito, sob pena de abrir margem a praticar mais atos criminosos” afirmou.

Portal G1



Comentários