Imprensa de luto: morre Nelson Coelho, um ícone do jornalismo paraibano

A Paraíba perde um dos grandes ícones da imprensa do estado. Morreu no início da noite desta quinta-feira (09) o jornalista Nelson Coelho.

Nelson Coelho era pai do prefeito de Sobrado, George Coelho e tinha 76 anos de idade.

Mais informações a qualquer momento.

Trajetória no serviço público

Iniciou sua carreira no serviço público como Assessor de Imprensa no Governo Pedro Gondim, em 1961, passando logo em seguida ao cargo – Oficial de Gabinete até o final do governo; em 1966, no Governo João Agripino Filho, exerceu os cargos de Assessor, Administrador da Penitenciária Modelo e Assessor Geral da Secretaria do Interior e Justiça, na gestão Jacob Frantz. Passou um longo tempo como Assessor do Promoexport e por duas vezes foi Secretário da Prefeitura de Sapé (1976/1977 e 1983/1887).

Ingressou no jornalismo como colaborador do jornal Correio da Paraíba (1977), manteve programas na Rádio Cultura de Guarabira, Rádio Correio da Paraíba e Rádio Arapuan, sempre desenvolvendo um jornalismo político.

O jornalista foi Assessor dos Governadores Tarcísio Burity e Ronaldo Cunha Lima. Exerceu o cargo de Diretor Técnico, depois Diretor do Jornal A União, no Governo José Maranhão, onde ingressou como jornalista político em 1987.

Em 2002, Nelson Coelho publicou o livro ESQUINA DO TEMPO, pela editora A União, órgão que dirige como superintendente. O livro foi apresentado pelo Jornalista Villas-Boas Corrêa, que reconhece em Nelson Coelho “O modelo do novo repórter do Brasil”.

Nelson Coelho tem se destacado por sua independência na apreciação dos fatos políticos locais e nacionais. Jornalista combativo, às vezes polêmico, é profundo conhecedor da história política paraibana.

Da Redação com ExpressoPB



Comentários