Haddad nega discussão de transferência, mas foca redutos lulistas

O virtual substituto de Lula em caso de impedimento no TSE faz périplo pelos estados onde o ex-presidente tem o melhor desempenho

Fernando Haddad segura máscara do ex-presidente Lula, durante a Convenção Nacional do PT – 04/08/2018 (Ricardo Stuckert/Divulgação)

Apesar de cumprir uma intensa agenda em busca de votos nas regiões que concentram a maior parcela de votos lulistas, o ex-prefeito Fernando Haddad, indicado a vice na chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, disse nesta quarta-feira que o PT ainda não trabalha com a possibilidade de transferência de votos.

Haddad passou a semana passada toda em viagem ao Nordeste, região em que Lula tem seu melhor desempenho, para associar seu nome ao do ex-presidente. Nesta quarta, o PT divulgou nas redes sociais um vídeo com uma compilação de momentos de Haddad na região com o título “Lula e Haddad pelo Nordeste”.

Segundo a última série de pesquisas Ibope divulgada na semana passada, o ex-presidente tem pelo menos 50% das intenções de voto em todos os estados da região. O maior índice é no Piauí, onde Lula tem 65% da preferência. O governador petista do estado, Wellington Dias, disse que o PT fará a campanha com foco no número 13, como forma de garantir a transferência de votos.

No caso de negativa do registro da candidatura do ex-presidente, que por ter sido condenado em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro tende a ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa, Haddad deve assumir a candidatura, e o PT trabalha sua imagem para torná-lo conhecido como homem de Lula.

O ex-prefeito, entretanto, tem se esquivado em todas as oportunidades de se assumir como substituto de Lula. “Não estamos trabalhando com essa hipótese nesse momento. Não vamos nos antecipar a uma decisão que não está tomada. O TSE que tem que se manifestar se vai atender a ONU”, disse Haddad.

Veja



Comentários