Eduardo diz que está confiante na vitória de Lucélio para o governo da PB

‘O ex-prefeito de Mamanguape, Eduardo Brito, recepcionou Lucélio Cartaxo e reuniu lideranças de oposição na festa do padroeiro São Pedro’.

Ex-prefeito de Mamanguape Eduardo Brito.

Uma força emergente diante seus adversários políticos, o acadêmico do curso de medicina e ex-prefeito de Mamanguape, Eduardo Brito (sem partido) – está de malas pronta para se filiar ao Partido Verde (PV).

Na noite da última quinta-feira (28), véspera de São Pedro, Eduardo e sua esposa Isaurina, receberam em sua residência no bairro do Campo, o irmão do prefeito de João Pessoa, pré-candidato a governador Lucélio Cartaxo (PV), o vereador da capital, Eduardo Carneiro (PRTB) que está em pré-campanha para Assembleia Legislativa, assessores que representaram o deputado federal Aguinaldo Ribeiro, a vice-prefeita Baby Helenita (PRTB), pré-candidato a senador, Manoel Júnior (PSC), presidente da Câmara de Vereadores, Joãozinho da Estaca, outros parlamentares da bancada de oposição, suplentes de vereador e lideranças.

Em entrevista ao blogueiro Napoleão Soares “Blog Chico Soares”, – Brito disse que a união das oposições ao governo estadual e municipal, está unida e coesa, em prol do futuro governador Lucélio Cartaxo.

Além das lideranças locais, o casal de ex-gestores, Eduardo Brito e Isaurina Meireles, recepcionaram os prefeitos Fabiano Pedro (Lagoa de Dentro), Elias Costa (Jacaraú), Pedro Gomes, conhecido por Pedrito (Cruz do Espírito Santo), prefeito José Aurélio Baia (Pedro Régis), vice-prefeito de Capim, Erivelton Ferreira, ex-prefeito de Baía da Traição, Zé de Oscar, vereadora Riseuda Nunes (Itapororoca) e outros.

Sobre seu futuro político, Eduardo disse que pertence a Deus, porém, Leó e Baby foram importantes para a vitória da prefeita Maria Eunice (PSB). “Eles são bem vindos à oposição, vieram para fortalecer o grupo, agora não é hora de falar em 2020, vamos primeiro trabalhar, lutar, visitar casa por casa e ganhar as eleições de outubro/2018”, destacou Brito.

Por Chico Soares e Napoleão Soares

 



Comentários