As gafes diplomáticas de Bolsonaro

Informação está no livro Tormenta, que será lançado na segunda-feira

Jair Bolsonaro, Donald Trump e Hélio Lopes no G20 Foto: Reprodução

Jair Bolsonaro não se constrange em usar termos chulos no dia a dia do exercício da Presidência.

Até aí, nenhuma novidade.

Mas o livro Tormenta — O governo Bolsonaro: crises, intrigas e segredos, da jornalista Thaís Oyama, que chegará no dia 20 às prateleiras, mostra um Bolsonaro que também não poupa comentários vulgares ao tratar com outros líderes internacionais.

De acordo com o livro, na reunião do G20, em junho, Bolsonaro perguntou a Trump, que vestia uma gravata cor-de-rosa, se a loja não tinha artigos “também para homem”. Trump não entendeu a piadinha.

 

Bolsonaro voltou à carga. Apresentou ao presidente americano o deputado Hélio Lopes, que recorrentemente chama de “Hélio Negão”.

O presidente brasileiro explicou a Trump que o apelido se devia ao fato de ele ser negro, “mas, apesar de negão, ele tem bilau de japonês”.

(Por Guilherme Amado e Eduardo Barretto)



Comentários